Tratados de Reconhecimento Maçônico

Data: 04/04/2019

Publicado pelo Grande Oriente Paulista - GOPSP

Caros Irmãos,

Em toda cisão existe a opinião correta e/ou contrária, dependendo de qual lado você está. Desde a cisão, em 1.981, uns entendiam que foi a melhor forma e outros que não concordavam.

Após esforços de vários Grão-Mestres e determinados Irmãos, o Grande Oriente Paulista veio conquistando o seu espaço de direito, primeiro com a Confederação Maçônica do Brasil/COMAB, depois com o ingresso na Confederação Maçônica Interamericana/CMI, posteriormente assinando mais de 40 Tratados Internacionais.  

Mas faltavam os mais decisivos, o aval da Comissão de Reconhecimento da Conferência Norte Americana e reconhecimento da Grande Loja Unida da Inglaterra.  

Isso só seria possível com os tratados mútuos da Grande Loja do Estado de São Paulo/GLESP e do Grande Oriente do Brasil/GOB, detentor do território maçônico nacional.  

Esse sonho se tornou realidade nos dias 22 e 30 março, com as assinaturas dos Tratados junto a Grande Loja do Estado de São Paulo/GLESP e Grande Oriente do Brasil/GOB respectivamente em eventos históricos.  

Informamos que, os Tratados assinados no dia 30 de março com o Grande Oriente do Brasil tiveram o mesmo texto para todas as Potências Maçônicas (CMSB/COMAB). Porém todo Tratado tem seus bônus e suas responsabilidades.

Nesse momento, somente três Confederações no Brasil são consideradas Regulares, o Grande Oriente do Brasil, a Confederação de Maçonaria Simbólica do Brasil/CMSB e a Confederação Maçônica do Brasil/COMAB. Para isso devemos respeito às normas legais da Maçonaria Regular.  

Como afirmou o Irmão Tomas Jackson, Secretário ad vitae da Conferência Mundial de Grandes Lojas Regulares, em carta enviada na assinatura do Tratado de 30 de março: “O que vocês estão fazendo deve servir como um exemplo brilhante para a maçonaria mundial do que pode ser realizado por irmãos dedicados e pensantes para trabalhar com o propósito da maçonaria e não para a satisfação dos indivíduos.”
 

Da mesma forma que, o Grande Oriente Paulista levou quase 40 anos para conseguir os Tratados entendemos que as demais Potências não reconhecidas poderão ao longo do tempo, acreditamos que não tanto como o GOP, conseguir a sua regularidade.  

O Grande Oriente Paulista não medirá esforços para continuar contribuindo com a união da Maçonaria Brasileira no sentido de firmar a unificação da Maçonaria.

Temos muitos outros passos a percorrer, o próximo, e de vital importância, será a apreciação que a Poderosa Assembleia Legislativa fará, tendente ao referendo desses Tratados.

TFA

Pascoal Marracini - Grão-Mestre


Download do arquivo